Scilla
This is a file from the Wikimedia Commons. Click the pic to see its description page and licensing.

SCILLA

Scilla é uma localidade de muito fascínio que se localiza na costa tirrênica meridional diante da Sicília e a poucos quilômetros ao norte de Reggio Calabria.

História

A mitologia conta que Scilla era uma lindíssima ninfa, filha do deus dos mar, Ceto, amada por um outro deus do mar, Glauco; foi transformada pela maga Circe num terrível monstro com seis cabeças de cães ferozes que devoravam os navegantes de passagem pelo estreito de Messina.

Na realidade, esta passagem de mar foi temida por todas as populações desde a antiguidade por causa da força de suas correntes marinhas.

O nome deriva do fenício skoula (rocha) e do grego skola (cao) ou skylla, mais tarde transformado em scylla e scyllaeum.

Alguns historiadores como Strabone e Polibio afirmam que Scilla foi fundada no tempo da Guerra de Tróia (XII a.C).
A história porém fala de Scilla pela primeira vez no confronto entre piratas tirrenos, instalados nesse pedaço de costa, e do tirano de Reggio Calabria, Anassilao (493 a.C.).

O lugar tornou-se portanto um importante local fortificado da costa tirrênica conhecido sob os romanos com o nome de Oppidum Scyllaeum que, foi protagonista de alguns pontos históricos. Ali se refugiaram também os escravos guiados por Spartaco durante a revolta de 73 a.C. que, ali chegaram em busca de proteção segura para os navios de Ottaviano que estavam envolvidas no confronto civil com a frota do jovem Pompeo (42 a.C.).

Na Idade Imperial a localidade perdeu importância sendo excluída da Via Popilia que unia Capua a Reggio, mas, conservou uma certa importância marítima como relembra San Gerolamo que ali esteve em 385 durante a sua viagem rumo a Jerusalém.

Depois do fim do Império Romano, Scilla foi integrada no Reino de Odoacre (476) e mais tarde no Reino Ostrogodo (494) encontrando uma fase de contínuos assédios e saques por parte dos vândalos, instalados na África.
Em 535 o general bizantino Belisario derrotou definitivamente os vândalos e, com a guerra greco- gótica (535- 553), apagou os ostrogodos da história anexando todo o sul da Itália ao Império Romano do Oriente.

Entre o VIII e o X, chegaram na Calabria monges basilianos que em Scilla fundaram um monastério e uma igreja reconhecida na antiga San Pancrazio, destruída por um terremoto em 1783.

A partir do IX, Scilla e a costra calabresa foram objetivo de invasões por parte de bandas de saracenos, desde então donos da Sicília desde 827, e, conseguiram também conquistar e dominar por um pequeno período a cidade.

Com a conquista por parte dos normandos (1062), não de agrado da população que, se fechou no castelo, Scilla obteve privilégios comerciais e, com os svevos, foi fortificada (1255) por Ruffo, já em confronto com Manfredi, filho do defunto imperador da Svevia, Federico II.

Os angioinos conquistaram a Calabria e a Sicília (1269) mas, com os vespros sicilianos (Palermo, 30 de março de 1282), alcançou rapidamente as costas calabresas atingindo também Scilla.

Em 1421 o Castelo foi dado a Guterra de Nava.

O terremoto de 1783, devastou Scilla e grande parte da Calabria, modificando o perfil milenar do burgo que permaneceu mais tarde em pé mas, mais tarde foi atingido novamente por um outro terremoto de 1908.

Visita à cidade

Scilla é um lugar afascinante que propõe aos seus visitantes antigos mistérios e uma história milenar que surpreende em continuação. A visita é acompanhada de contínuas vistas panorâmicas do Mar Tirreno, elemento principal da alma do burgo. Ainda alguns anos atrás, a pesca era de fato a base da econômia do burgo, como pescado principal o peixe espada, praticada desde os tempos da Magna Grécia.
O castelo Ruffo surge no cume do famoso promontório que se inclina em direção do mar deixando aos seus lados lindas praias de Silla, meta turística anual.
A presença de uma fortificação sobre uma rocha retoma aos antigos tempos ainda não definidos. Ali perto, no bairro de Marina Grande, surge a Igreja do Spirito Santo (1752).

Notavel também pela sua história, a Igreja de Maria SS. Immacolata, fundada na época paleo cristã e devastada após o terremoto de 1908, sendo depois reconstruída.

Completam o panorama dos edifícios de culto de Scilla a Igreja de San Giuseppe (1641), com um bonito portal, a Igreja do Carmine, a Igreja de San Rocco, construída a fim de celebrar o fim da peste e a Igreja de Porto Salvo, 1700.

Interessante e característico o burgo dos pescadores, Chianalea.

O centro, meta de turismo balneário a cada ano, é muito ativo durante o verão o qual se têm espetáculos e concertos: chamado Estate Scillese.

Interessantes, do ponto de vista naturalístico, as Grutas de Trémusa.

Lugares de interesse

- Castello
- Chiesa Maria SS. Immacolata
- Chiesa dello Spirito Santo (1752)
- Chiesa di San Giuseppe (1641)
- Chiesa di Porto Salvo (1730)
- Chiesa del Carmine
- Chiesa di San Rocco
- Grotte di Trémusa
- Fonte di Paolo Re

Museus

- In costruzione...

Eventos

- Estate Scillese da maggio ad ottobre
- Premio Internazionale Scilla in ottobre
- Festa di San Rocco il 16 agosto

SCILLA
cidade da arte

Região Calábria em Italia

 

Guia da cidade
perfil artístico

 

Cidades em Calábria
Reggio Calabria
Cosenza

In Italy Today
As guias de Italia
> as cidades da arte
> lista completa
> as regiões da Italia
Eventos e exposiçãoes
Hotel e B&B

 


LINK DE ARTE Y VIAJE - SITIOS WEB SELECCIONADOS

  • Your ArtTravelSite - http://www.yoursite.com
    Description of web site.
  • ... insert you link!

 


Vuoi inserire un LINK?
Hai un HOTEL o un'altra attività legata al TURISMO IN ITALIA?

Promuovilo nella pagina della tua città dentro IN ITALY TODAY!
OFFERTE PROMOZIONALI PER I PRIMI LINK

Art Travel directory

SUGIERE UN SITIO-VIAJES

 

In Italy Today ama a arte

© IN ITALY HOTELS NETWORK